CURADORIA GERAL

 

Carla Francine é jornalista, especializada em Gestão e Produção Cultural. Atua no audiovisual desde a década de 1990. Participou como produtora, roteirista, assistente de direção e diretora, das equipes de mais de 200 documentários e dezenas de ficção, em séries de TV, telefilmes, longas e curtas. De 2007 a 2014 foi coordenadora de audiovisual de Pernambuco, onde implantou políticas públicas que resultaram na Lei do Audiovisual de PE. Em 2015 voltou a atuar na produção independente de cinema e televisão, abrindo a Casa de Cinema de Olinda. Desde 2017 é membro do Conselho Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual-FSA.

Rosinha Assis é uma das idealizadoras do RECIFEST,  junto a Rutílio de Oliveira (in memoriam). Atua na área de produção há cerca de cinco anos, tendo participado das equipes de vários festivais de cinema em Pernambuco e na Paraíba. Também trabalha na produção de filmes e séries de TV a exemplo de: “Ocupações” de Eugênio Pupo, “Ouro Velho” de Cláudio Assis e Lírio Ferreira, “Big Jato”, de Cláudio Assis, “Repulsa” de Eduardo Morotó, e “1817, a revolução esquecida” de Ricardo Favilla e Tizuka Yamazaki.

 

Lúcio Mauro Lira é produtor há mais de 20 anos , em projetos audiovisuais, musicais e teatrais. Trabalhou na UNESCO, onde coordenou o programa Escola Aberta pela ONU. Foi coordenador da Rede de Pontos de Cultura do MinC-NE de 2005 a 2008 e da SECULT-PE de 2010 a 2011. Assessorou a Coordenadoria do Audiovisual de Pernambuco de 2011 a 2014. É idealizador dos projetos Olhar do Alto e Taxi Cultural, vencedor do Prêmio Brasil Criativo 2014. Atualmente integra equipes de festivais de cinema e produtos audiovisuais, como as séries para televisão “Índios no Brasil” e “Anjos Humanos” e os filmes “Cão Sem Plumas” e “Piedade”, de Cláudio Assis.

Pethrus Tiburcio é jornalista por formação e trabalha com produção e assistência de direção no Recife. Já esteve em curtas e longas-metragens, bem como em séries e programas de televisão, integrando a equipe de diretores como Marcelo Pedroso (Por trás da linha de escudos), Hilton Lacerda (Lama dos Dias) e Marcelo Lordello (Paterno). Para além disso, atua há mais de 5 anos na produção e coordenação técnica de festivais de cinema em capitais e interiores, bem como o próprio Recifest – Festival de Cinema de Gênero e Diversidade Sexual.

 

 

Manu Dias teve seu primeiro contato com o cinema através do curso de produção audiovisual da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), foi lá onde ele começou a amar cada vez mais a sétima arte e entender o poder de mudança social que ela pode causar. Ao todo ele já produziu 23 curtas, 02 longas 02 séries de TV, 07 festivais. Atualmente trabalha com formação, levando cinema para crianças e adolescentes em fase escolar nos espaços onde o cinema ainda não se faz presente.

 

CURADORIA DAS MOSTRAS COMPETITIVAS

 

Hanna Godoy é sócia diretora da produtora Anegra Filmes  que atua no segmento de imagem e som, realizando eventos e produtos culturais, audiovisuais, documentários e conteúdo para tv. Cursou Radio e tv na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Cinema na Universidade Estácio de Sá – RJ. Roteirista, Diretora e Produtora de filmes. Concepção e Coordenação do Encontro de Roteiristas série de palestras e seminários realizado na Caixa Cultural -RJ. Autora premiada pelo Ministério da Cultura no Concurso Nacional de Desenvolvimento de Roteiros para Longa Metragem com o roteiro “Billeliote do Rex”. Em fase de produção do segundo longa metragem


Rodrigo Almeida
é pesquisador, curador, escritor e cineasta. Doutor em Comunicação pela UFPE, com passagem pela Universitat de Barcelona, Rodrigo é diretor dos premiados curtas ‘Casa Forte’ e ‘Como era gostoso meu cafuçu’; é curador do Janela Internacional de Cinema do Recife, assim como da Antologia do Cinema Pernambucano e da mostra ‘Brasil Distópico’. Foi o criador do Cineclube Dissenso e é integrante do coletivo de produção audiovisual Surto & Deslumbramento. É autor do livro ‘O cinema e seu testamento’, do e-book ‘Rasgos culturais: consumo cinéfilo e o prazer da raridade ‘ e organizador da coletânea ‘Cinema e memória’.

André Antônio é um dos fundadores do Surto & Deslumbramento (deslumbramento.com), coletivo que, desde 2012, vem produzindo filmes em diálogo com as formas e temas de uma estética queer. Em 2015, lançou seu primeiro longa-metragem, “A Seita”, exibido em importantes festivais nacionais e estrangeiros, como o Festival do Rio e o Queer Lisboa. Atualmente, escreve o roteiro do seu próximo longa, “Salomé”, contemplado para desenvolvimento na 10ª edição do Funcultura. Também atua como DJ em espaços underground do Recife, e é um dos produtores da Hypnos, festa independente dedicada ao techno.

Natara Ney

Formada em jornalismo pela PUC-PE, cursou Teoria da Montagem na Universidade de Brasília. Mora no Rio em 1993, onde trabalha como montadora. Como editora, é conhecida pelos trabalhos em “Tainá 3” e “Desenrola”, de Rosane Svartman; “O Mistério do Samba”, de Lula Buarque de Hollanda e Carolina Jabor; “Todas as Mulheres do Mundo” e “Separações”, de Domingos de Oliveira e o documentário “Divinas Divas”, sobre a primeira geração de artistas travestis brasileiras, dirigido pela atriz Leandra Leal. Em TV montou as séries de TV “Ó Paí, Ó”, de Monique Gardenberg e “Novas Famílias”, de João Jardim. Em 2010 escreveu e dirigiu o curta Um Outro Ensaio, premiado nos festivais de Gramado, Triunfo. Assina os roteiros de “Mistério do Samba”, da série para TV “O Curioso”. Dirigiu seu primeiro longa, agora em fase de finalização.

Fernanda Capibaribe
Professora efetiva do Curso de Comunicação Social na Universidade Federal de Pernambuco. Pós-doutorado pela McGill University, Montreal, Canadá. Fotógrafa, com experiência nas áreas de Fotografia, Comunicação Audiovisual, Estudos de Gênero e Estudos Culturais. Atualmente, desenvolve projeto de pesquisa em poéticas das imagens feministas/queer associadas à experiência estética e o conceito de devir, abordando estudos vinculados aos corpos culturais, à política do dissenso, processos de subjetificação em sexo-gênero, teoria queer, relação entre tempo e movimento nas imagens e a perspectiva do/a espectador/a emancipado/a. Como fotógrafa, já realizou diversas exposições fotográficas, individuais e coletivas, além de participar de processos de criação, produção e pós-produção em cinema e audiovisual e curadorias.

 

 

CURADORIA DAS MOSTRAS DIV.A E INTERNACIONAL

 

Alexander Mello é diretor da Cromakey Produção. Diretor e curador dos festivais e mostras: Rio Festival de Gênero & Sexualidade no Cinema (2011 -2017), do Cineclube Gêneros & Sexualidades (2014 – 2017) e do DIV.A – Diversidade em Animação (2009 – 2017), Animaldiçoados – Festival Internacional de Animação Sombria para Adultos (2010 – 2016), Monstra – Mostra Especial de Animação Portuguesa  e Mostra Atom Egoyan. Jurado e Curador do Prêmio Maguey do Festival Internacional de Cinema de Guadalajara/ México, Mostra Possíveis Sexualidades de Salvador, Mostra Todos os Gêneros: Poéticas da Sexualidade no Itaú Cultural de São Paulo, e no DiversAnima – Festival de Animação da Diversidade Sexual de Santiago do Chile. É Parceiro do Recifest desde a primeira edição.

 

 

JÚRI OFICIAL

 

Hermínia Mendes 

Atriz pernambucana, graduada em Artes Cênicas pela UFPE, aos 27 anos já acumula mais de 20 atuações em espetáculos de teatro de circulação nacional. Fez residência artística em Portugal e cursos com as companhias internacionais Thêàtre Du Soleil, Cie Du P’tit Doigt e Dos à Deux. No cinema fez os longas “Paterno”, de Marcelo Lordello, “Organismo”, de Jorge Pereira, “Amores de Chumbo”, de Tuca Siqueira e protagonizou o curta “Persignação” de Igor de Lyra, premiado pelo Canal TNT. Em televisão, fez as séries “O Fim do Mundo”, de Hilton Lacerda e Lírio Ferreira, “Fãtásticos”, de Henrique Spencer e André Pinto, e “Mistéria” de Daniel Bandeira.

João Vieira Jr.

Graduado em Direito, é um dos principais produtores de conteúdos audiovisuais de Pernambuco. Assina a produção dos longas “Cinema, Aspirinas e Urubus”, “Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo”, “Tatuagem”, “Era uma vez eu, Verônica”, “O Homem das Multidões” e “Joaquim”, além das séries de TV “Fim do Mundo”e “Lama dos Dias”. É produtor executivo dos filmes “O Céu de Suely” e “Baixio das Bestas”. Tem trabalhado com importantes diretores e roteiristas do cinema nacional como Marcelo Gomes, Hilton Lacerda, Karim Aïnouz, Lírio Ferreira, Adelina Pontual, Letícia Simões, Armando Praça e Cao Guimarães. Foi sócio-fundador da Rec Produtores Associados e atualmente dirige, com Nara Aragão, a Carnaval Filmes. É membro do Conselho Consultivo do Audiovisual de PE e do Comitê Gestor do Cinema do Brasil.

Caia Coelho

Caia Coelho é travesti, gorda, bissexual, pesquisadora e militante transfeminista, membra da NATRAPE (Nova Associação de Mulheres Transexuais e Travestis de PE), e colunista do site TransAdvocate Brasil. Interessada em pensar os processos de representação da mulher no cinema, tem atuado com consultoria sobre gênero e sexualidade, foi produtora em festivais como o Recifest e o Janeiro de Grandes Espetáculos, e atualmente é graduanda em Direito pela Universidade Católica de Pernambuco.

 

 

JÚRI ABD

 

Márcio Martins

Aluno do curso de Cinema e Audiovisual nas Faculdades Integradas Barros Melo, atualmente cursa o quarto de um total de sete períodos, tem experiência em produções acadêmicas, experimentando diversas áreas do audiovisual, tendo liderado pelo menos quatro projetos, atuando como produtor, assistente de som, roteirista e diretor, além de participar de um grupo de estudos multiartístico, guiado pela artista visual e performática Milena Travassos. Bicha preta e favelada, tem como objetivo produzir filmes voltados para o público negro, LGBTTQ+ e periférico, além de pesquisar sobre produções voltadas para esse nicho.

 

Narciso Mendes

Estudante homem, cis, bissexual, afroindígena, do sexto período de Cinema e Audiovisual na UFPE. Participou, no ano passado, das oficinas de Diário Animado (no ANIMAGE)  e de Teatro do Oprimido, na mostra Outubro Ou Nada! Foi crítico e júri no IX Janela Internacional de Cinema pelo Janela Crítica. Trabalhou como curador jr. no Festival do Minuto, além de ter realizado o “Escalpelo”, filme de animação selecionado para sete festivais, e a oficina Cinema em Fluxo, realizada em escolas públicas ocupadas.

 

   Tábata de Morais

Tábata trabalha com audiovisual há dez anos e exerce a função de Assistente de Direção. Trabalhou com cinema, TV e publicidade. Em relação a militância audiovisual, participou do Coletivo Primeiro de Maio e do Mulheres no Audiovisual PE.

 

JÚRI FEPEC

 

O prêmio criado pela Federação Pernambucana de Cineclubes – FEPEC, tem o objetivo de referendar  filmes que estimulem o debate e a reflexão e que se destaquem nas suas propostas de  narrativas em que conteúdos e estéticas sejam levados em consideração assim como respeitando a composição da equipe – representatividade étnica racial e equilibrada entre mulheres e homens. Está presente nos principais festivais do estado e é considerado de grande valia para os que buscam realizar filmes capazes de sensibilizar e estimular o senso crítico dxs espectadorxs.

 

Claudia Oliveira

Cineclube Avalovara/ Vitória de Santo Antão

Cineclubista, professora e ativista cultural. Integra a equipe do Cineclube Avalovara, em Vitória/PE, e do movimento artístico-cultural Coletivo Galileia; participou da produção da I Mostra de Cinema da Vitória de Santo Antão.

 

Geneseli Dias

Cineclubista no Cineclube Avalovara – Vitória de Santo Antão/ PE e Produtora Cultural

Cineclubista, integrante do Cineclube Avalovara, localizado em Vitória de Santo Antão. Graduanda em Ciências Sociais, é instrutora com turmas também inclusivas que qualifica jovens pelo Programa de Aprendizagem regido pela Lei da Aprendizagem.

 

Patrícia Araújo

Cineclube Avalovara/ Vitória de Santo Antão

Bacharela em Ciências Sociais pela UFPE e atualmente mestranda em Antropologia pela mesma instituição. Colaboradora do Cineclube Avalovara e da Coordenação da Mostra de Cinema da Vitória de Santo Antão. Entusiasta nos estudos sobre fotografia e produção audiovisual.

 

JÚRI do Prêmio “7ª Arte e Direitos Humanos” da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos de Pernambuco

Poliny Aguiar
Coordenadora do Centro Municipal de Referência em Cidadania LGBT do Recife. Jornalista, fotógrafa e editora-chefe da Revista ClickREC.

Lígia Verônica

Advogada do Centro Municipal de Referência em Cidadania LGBT do Recife, Membro da Comissão de Diversidade Sexual e de Gênero da OAB/PE, Produtora/Pesquisadora Cultural e Professora.

Vicente Barbosa
Vice-Presidente do Movimento INTEGRAR de Pernambuco